sábado, 5 de setembro de 2015

Altos investimentos de clubes ingleses preocupam técnico da seleção alemã

Os altos investimentos feitos
pelos clubes ingleses na última janela de transferências parecem ter incomodado o técnico da seleção alemã Joachim Löw. Analisando o mercado, o comandante campeão mundial afirmou que os gastos dos ingleses não contribuem para o surgimento de novos talentos no país. Recentemente, o Manchester City chamou a atenção por pagar R$ 227 milhões para ter o belga Kevin De Bruyne, ex-meio campista do Wolfsburg, atual vice-campeão alemão.

O técnico da seleção inglesa, Roy Hodgson, concordou com as declarações do comandante alemão, mas ressaltou que a atual safra de jogadores ingleses é boa o suficiente e que Greg Dyke, chefe da Federação Inglesa de Futebol, está tentando acabar com este problema.

?Com o tipo de equipe que eu tenho no momento e ela continua a impressionar, isso é satisfatório. Nós não podemos jogar com 60, 70, 80 jogadores, mas podemos com uma base de 30. No momento, esta base é muito boa?, disse o técnico inglês que ainda completou: ?Se o debate continuar crescendo, será sobre quão boas nossas academias são, quão bons nossos jovens jogadores são e no que eles poderão se tornar?.

Hodgson tomou como exemplo o Chelsea, que rotineiramente empresta suas jovens promessas a clubes de menor expressão na Europa para os atletas adquirirem experiência: ?Chelsea tem enviado alguns jovens para o Vitesse, da Holanda, Nat Chalobah para o Napoli. Quem sabe esse possa ser o caminho que todos nós estamos procurando se ele ainda não existe no Campeonato Inglês?.

Com as declarações otimistas sobre o futuro do futebol da Inglaterra, Roy Hodgson comanda a Inglaterra na partida deste sábado, contra San Marino, válida pelas eliminatórias da Eurocopa de 2018, que será realizada na França. A Inglaterra é a primeira colocada do Grupo E e mira uma vitória para, dependendo da combinação de resultados, se classificar para o torneio continental.