sábado, 5 de setembro de 2015

Menino é encotrado morto dentro de freezer na capital Paulista

O corpo de um menino foi encontrado morto dentro de um freezer nesta sexta-feira (4). Vizinhos ouvidos
afirmam que o padrasto, a mãe e as irmãs da vítima saíram do prédio há dois dias.

O prédio fica na Rua Santo Amaro, na região central de São Paulo. Segundo o boletim de ocorrência, o menino teria aparentemente cinco anos e vivia com a mãe, o padastro de 26 anos e duas irmãs. Os pais e as meninas não foram encontrados e o DHPP investiga o caso. A Secretaria da Segurança Pública não divulgou o nome do menino.

A família era dona de uma bomboniere no térreo do edifício e morava no primeiro andar. Por volta das 18h40 de sexta, vizinhos ligaram para a polícia para verificar se havia algo estranho no apartamento.

O primo do padrasto do menino contou à polícia ter estranhado o fato de o vendedor de 26 anos deixar de abrir a bomboniere. Ele foi até o apartamento e, na porta, sentiu um cheiro muito forte. O homem chamou o proprietário do imóvel e lá encontraram, no freezer, o corpo do menino enrolado em um lençol e em sacos plásticos, segundo o boletim de ocorrência.
Segundo o primo, o menino era filho da companheira do vendedor. Agentes da Polícia Técnico-Científica foram acionados para fazer perícia.

Vizinhos

Os vizinhos da família colaram cartazes neste sábado (5) na porta da bomboniere pedindo justiça. As mensagens desejavam também que o menino "descanse em paz".

O morador do prédio Marco Amorim contou ter sentido um cheiro forte vindo do apartamento nos dois últimos dias. "A gente passava e sentia um cheiro insuportável", disse. Ele contou que, no início da semana, viu o padrasto do menino esvaziando a geladeira de sorvetes da bomboniere e levando para dentro do apartamento.

O vizinho afirmou ainda que "cansou de reclamar para a síndica" do choro das crianças. "Era toda noite", completa sua esposa, Sâmara Silvestre. O casal contou que o menino já havia ido para o Conselho Tutelar após denúncias de maus-tratos de uma professora.

Sâmara disse que, nesta sexta-feira, quando o proprietário do apartamento foi tentar entrar, ele não conseguiu. "Trocaram a fechadura."

Renata Daniele Fernandes era colega da família e fornecia doces para a bomboniere. Ela mora no prédio vizinho, e contou que a mãe falava que o menino "dava muito trabalho" e ela queria mandá-lo de volta para a África do Sul, de onde a família era. As duas meninas pequenas nasceram no Brasil.

O filho de Renata costumava brincar com o menino. Segundo ele, a criança dizia que o sonho dela era ser jogador de futebol e comprar uma casa na praia para a mãe. Outro morador do prédio, Jorge Pantoja disse que a família era querida pelos vizinhos. "Todo mundo adorava o cara. Ele era muito bacana".

Maria Célia Moreira já trabalhou na Escola Estadual Paulo Machado de Carvalho, onde o menino estudava. Ela relata que, no ano passado, houve um comunicado ao Conselho Tutelar sobre o menino e ele acabou levado para um abrigo.

"Eu não sei como que devolveram ele para os pais. Não era para ter sido devolvido, devolveram uma vez, e aí comunicamos ao abrigo que o menino estava chorando, queria voltar para o abrigo, e ele voltou para abrigo. É a mãe que batia. É um absurdo uma coisa dessa, de a gente ficar chocado. Nós percebemos que ele estava sendo mal tratado. Era um menino muito lindo, muito doce".

O Conselho Tutelar afirmou que só consegue informação sobre o caso na terça-feira (8). A Secretaria Municipal de Direitos Humanos disse que vai apurar se houve atendimento ao menino e o que aconteceu.